MP NÃO PERMITE CONVOCAÇÃO DE 824 POLICIAIS MILITARES

Foi frustrada a tentativa de conciliação solicitada pelo Estado para permitir a continuidade do último concurso da Polícia Militar.

Uma reunião foi realizada hoje, mas o Ministério Público (MP) se mostrou irredutível.

O objetivo do governo era convocar 824 aprovados do último concurso, mas o MP alega que o prazo expirou.

Agora, teria que ser realizado um novo certame. O problema é que já há um buraco de 4 mil policiais na PM, de acordo com informações do próprio governo. A realização de um novo concurso deve levar tempo.  

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) tinha o apoio da OAB e da Assembleia Legislativa na negociação mas prevaleceu a posição do MP.

Enquanto isso a criminalidade aumenta dia a dia.
BLOG DO BG

6 comentários:

  1. o ministério público está de parabéns! pois com a convocação desses suplentes, de certa forma, desvaloriza, os candidatos que tiraram uma boa nota neste concurso de 2005, e o correto é abrir um novo concurso!!!

    ResponderExcluir
  2. Fiquei muito triste em saber dessa nova negativa no pleito dos 824, mais a César o que é de César o único que não pode ser culpado é o governo atual "ROSALBA" foi IBERÉ que convocou fora do prazo, o concurso foi no governo de VILMA e ela não convocou vcs 824, e quem impedio o prosseguir do curso foi o MINISTERIO PÚBLICO por VICIO e ILEGALIDADE. "ROSALBA TA FORA DESSA ELA TENTOU AJUDAR MAIS TEM QUE CUMPRIR A LEI" Por outro lado governo VILMA que desviou MILHÕES na ponte Newton Navarro e outra falcatruas que fez na PM e queria fazer nas Inspeções de veiculos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc compnheiro, mas se tivessem feito as coisas como deveriam, não tinha mais ninguém com espectativa d poder ser chamado, so tenho uma ressalva, não defendo governo A ou B mas as coisas nest tão d mal a pior....

      Excluir
  3. O problema d tudo isso esta acontecendo é a desorganização das coisas q São feitas pelo o estado, se tivessem seguido o edital ao pé da letra teriam evitado varios problemas : 1-reclassificar todo mundo depois da primeira chamada...2- não chamar por região como foi feito, pq tinha candidatos com média inferior q entrou na frent d quem ficou melhor classificado...agora eles vão entrar na justiça não pelo tempo q expirou e sim pelos q entraram na frent d quem tinha média melhor, pq, como explicar q um candidato com média 5 entrou e um com média 5.3 não entrou.... SÓ TEM UMA EXPLICAÇÃO É BRASIL....

    ResponderExcluir
  4. Como toda audiência de conciliação, as partes só decide sobre o que lhes convém. O processo não chegou ao fim, apenas, em seu curso no TJ, foi solicitada tal audiência, porém, quem vai decidir o processo é o Desembargador através da sentença. Há precedente do STF deliberando que, se houve convocação por edital ao preenchimento de vagas, o estado tem o dever e, os convocados, o direito de prosseguirem nas demais etapas até sua nomeação, claro que, se lograrem êxito nas demais etapas, por precedência em Recurso Extraordinário (RE 598099 - De acordo com relator, a administração poderá escolher, dentro do prazo de validade do concurso, o momento no qual se realizará a nomeação, mas não poderá dispor sobre a própria nomeação, “a qual, de acordo com o edital, passa a constituir um direito do concursando aprovado e, dessa forma, um dever imposto ao poder público”. Em resposta ao ELETRÔNICA CEPEP... Por outro lado, enquanto não se resolver esse impasse, não pode ser realizado novo concurso, visto que, há a suspensão legal de possíveis certames.

    ResponderExcluir
  5. do jeito que estão as coisas, eu vou fazer concurso pra juiz, ficar em ultimo lugar, e mesmo assim encher o saco de politicos, MP, justiça até conseguir entrar a força, que merda, chama logo todo mundo que assinou o nome nessa bendita prova e pronto, acaaaabaa...

    ResponderExcluir